Dia do Fotógrafo reflete sobre a valorização do profissional em meio à revolução digital

0
67

 

Em tempos de tecnologia, profissão é uma das que necessitam cada vez mais de profissionais diferenciados

Quem não se lembra da ansiedade que era ir buscar o álbum de fotografia na loja reveladora? Em alguns casos levava dias para ficar pronto, e ao chegar em casa folheá-lo na sala com toda a família reunida. Se você é mais jovem, provavelmente não deve fazer ideia do que estamos falando.

Em 1839, o pintor francês Louis Jacques Mandé Daguérre inventou a primeira máquina fotográfica e apresentou ao mundo. A engenhoca que foi patenteada com seu nome, realizava capturas em placas de cobre e não permitia cópias. William Talbot, cientista inglês, aperfeiçoou a invenção e adotou um rolo de papel com sais de prata, possibilitando a gravação das imagens naquilo que ficou conhecido como “negativo”. Para quem não conhece, é esse rolo que levávamos à loja para revelar as imagens.

A primeira máquina a chegar no Brasil foi no dia oito de janeiro de 1840. O daguerreótipo foi apresentado ao então Imperador Dom Pedro II pelo abade Louis Compte e veio para substituir a imagem xilográfica em placas de metal. Daí a homenagem ao dia do fotógrafo nesta data.

Com o passar do tempo, as máquinas foram se modernizando, ganhando lentes mais potentes e substituindo os filmes por cartões de memória. A maioria dos aparelhos celulares hoje possuem câmeras capazes de realizar capturas incríveis e ainda contam com os filtros de ajustes. Mas é aí que o fotógrafo se diferencia de uma pessoa comum com uma máquina na mão. O olhar fotográfico é característica de quem se dedica a registrar, e tornar eterno, momentos inesquecíveis na vida das pessoas. Saber combinar enquadramento, luz, ângulo, profundidade e sensibilidade tornam o resultado único e preciso.

Atualmente no mundo moderno, personalizamos os nossos conteúdos, somos o que quisermos e consumimos o que achamos melhor. Éramos somente receptor e passamos à função de emissor. Uma pessoa pode registrar imagens de vários fatos, adicionar uma legenda e num clique viralizar, tendo compromisso com a verdade ou não. O fotógrafo precisa captar a verdadeira mensagem do objeto e transmitir da melhor maneira possível, tendo compromisso com a entrega final e sendo penalizado se algum contratempo ocorrer. Por isso esse grande profissional merece ser valorizado.

Dentre as áreas mais comuns de atuação do fotógrafo, se destacam fotografia de moda, infantil, publicitária, social e fotojornalismo. A APCEF/MG conta com o excelente trabalho do fotógrafo Tom Oliveira, que faz os registros dos eventos da Associação, inclusive nos grandes shows como Arraiá e Churrascão. Para Tom, “o dia do fotógrafo é motivo de alegria, pois o reconhecimento dessa profissão é algo importante. O futuro do profissional de fotografia é lutar para que a profissão seja cada vez mais reconhecida no mercado, e para aqueles que quiserem adentrar ao mercado, demonstrem certo conhecimento teórico comprovado, e não somente apenas ter uma câmera cara nas mãos”, ressalta.

Conversamos também com o fotógrafo profissional Rodney Costa, que atua há 17 anos no mercado e trabalha com fotojornalismo hard news e esportivo, além de ensaios fotográficos. Para ele, o fotógrafo desempenha um papel fundamental para a sociedade. “Desde a sua invenção, a fotografia traz informações, lembranças e histórias que de fato só imagens conseguem contar, visto que elas tem um poder sentimental muito grande a quem está diretamente envolvido com o assunto”, explica. Rodney relata ainda que a fotografia sofreu um crescimento absurdo em qualidade de equipamentos e áreas de atuação. Pensando nisso, o grande desafio é se manter atualizado. “Um investimento na compra de materiais básicos para começar é de no mínimo três mil reais, mais cursos de qualificação e aprendizado. Essa bagagem é o diferencial entre um profissional para um amador e isso também tem que ser valorizado”, afirma Rodney.

Um pouco do trabalho dos fotógrafos Tom Oliveira e Rodney Costa 

A APCEF/MG parabeniza todos os profissionais da área de fotografia e deseja vida longa a esse serviço fundamental para registro e contextualização de fatos e acontecimentos.

Que tal aprender um pouco mais?

Sócios empregados Caixa da ativa e aposentados, desejam conhecer um pouco mais sobre fotografia? A Rede do Conhecimento possui 15 cursos do nível básico ao avançado que mostram um pouco sobre a arte de fotografar. Além disso, a plataforma conta com uma vasta lista de materiais em diversas áreas para você se qualificar. Clique aqui e saiba mais sobre este e outro cursos.

Departamento de Comunicação da APCEF/MG

Deixe uma resposta